10.08.2020

Entrevista com Julia Brito

 

Em tempos desafiadores queremos encher ainda mais a nossa casa de amor e alegria. É no lar que passamos a maior parte do tempo, logo os ambientes precisam estar aconchegantes e cheios de esperança. Os objetos que escolhemos para decorar a casa têm esse poder de transformar e alegrar. Convidamos a nossa amiga Julia Brito para compor uma mesa linda para o almoço de dia dos Pais, neste domingo. Ju tem formação em moda, trabalhou com arte durante mais de dez anos junto à sua mãe na Luciana Brito Galeria e atualmente transita entre os mundos da arte, moda e casa. Com um olhar apurado e artístico ela compôs uma mistura inusitada e cheia de bossa com os jogos americanos upcycled da Isolda para receber em casa com diversão e charme. E aí, gostaram do resultado? 

Julia veste o conjunto loungewear 100% seda Aquarela do Brasil. Look e jogos americanos disponíveis no site www.isoldabrasil.com

 

Juju:   Quais são as suas dicas para compor uma mesa charmosa? Alguma dica especial sobre flores? Cores?

JB: Acho que para compor uma mesa charmosa a melhor dica é não se apegar a muitas regras de combinações, deixar a mente livre. A refeição dura poucas horas então podemos “exagerar” sem medo de nos cansar. Também não me prendo a combinações na hora de comprar uma peça nova, por que a chave para mim é ter peças lindas e no final brincar com as diferentes combinações. 

 

Juju:   Qual a parte mais divertida de montar uma mesa? Porque você gosta?

JB: O mais divertido quando monto uma mesa é descobrir combinações inesperadas . Acho que a montagem da mesa nos proporciona fazer combinações de cores e texturas de uma maneira mais livre que a montagem de um look por exemplo que está sempre ligado ao ambiente, a temperatura etc.


Juju:   Quanto tempo e como é o processo de arrumação de mesa?

JB: Para arrumar uma mesa sempre tenho algum ponto de partida, as vezes uma louça específica que combina com o cardápio ou alguma cor que combine com o tema do evento. A partir daí vou combinando o resto das peças, flores e tecidos. Sempre fui muito estética e visual então gravo combinações de cores e referências sempre e na hora de montar uma mesa colocar elas em prática.

 

Juju:   Você teve duas datas especiais festivas recentemente. Como foi pra você comemorar seu aniversário e o batizado do seu filho em tempos de Covid? Como foi essa readaptação?

JB: Aproveitei esses dois eventos para caprichar na decoração das mesas, que foram bem pequenas! Mas mesas menores são mai fáceis pois não precisamos ter grande quantidade das peças!

 

Juju:   Como você leva a experiência do mundo das artes para o seu dia-a-dia arrumando mesas? Vê algo em comum? 

JB: O mundo das artes é presente na minha vida desde muito pequena, por isso costumo dizer que é praticamente uma linguagem que ja é incorporada na minha vida. A convivência bem próxima com artistas e seus pensamentos é com certeza uma nutrição vital para mim tanto no sentido estético quanto na forma que é formatado meu processo criativo. 

 

Juju:   Quais artistas te inspiram mais ultimamente?

JB: Os artistas e as obras de arte que convivo ao longo da minha vida são muito presentes sempre. Durante a quarentena alguns prevaleceram nos meus pensamentos. Allan McCollum pela sutileza em expor as diferentes formas, entendo que possa refletir na personalidade e individualidade de cada um. Rochelle Costi por que ela expõe de uma forma única tantos objetos, culturais e achados que esteticamente me prendem muito.

 

Juju:   O que não pode faltar na sua mesa?

JB: Flores! 

 

Juju:   Como foi pra você arrumar a mesa pra Isolda?

JB: As estampas da Isolda são simplesmente fascinantes e alegres! Fiquei muito surpresa em ver a versatilidade de cada uma; entram perfeitamente em uma mesa “maxi” com vários elementos mas também funcionam super com acessórios neutros para aqueles dias que não estamos com tanto tempo para misturar cores e texturas.

 

Juju: Qual sua comida preferida? O que você gosta de comer nas mesas lindas que compõe? Tem dicas de restaurantes que vc tem apoiado na quarentena?

JB: Sou viciada em saladas! Durante a quarentena me aventurei na cozinha fazendo diversas combinações das minhas saladas favoritas. Acho que as misturas de cores e texturas das saladas também me encantam. Sempre que tenho alguma florzinha em casa que caiu ou já não tem mais muito tempo de vida usa na decoração dos pratos.

 

Juju: Você tem dicas de livros, filmes, séries que viu recentemente e gostaria de compartilhar?

JB: Gostei muito do documentário da Michelle Obama, não conhecia muito a história dela e achei ela simplesmente incrível. As séries que assisti durante a quarentena foram: Little Fires Everywhere e Babies, recomendo as duas muito. LFE curta e fala sobre temas bem relevantes para o momento, fiquei com discussões internas sobre muitos dos temas que ela toca, Babies é uma série que conta sobre o desenvolvimento dos bebês e mostra descobertas bem recentes sobre o assunto. A Gentleman in Moscow é minha dica de livro para a quarentena! Li ele bem no início do confinamento e foi uma surpresa pois conta uma história de um homem que coincidente teve que ficar confinado e restrito a um ambiente durante tempos de mudanças na Rússia nos anos 20.